Reunião no Ministério da Economia pode ter avanços em relação ao Adicional de Difícil Fixação de Efetivo

Reunião no Ministério da Economia pode ter avanços em relação ao Adicional de Difícil Fixação de Efetivo

Fonte: FenaPRF

Na última terça-feira (28) ocorreu no Ministério da Economia mais uma reunião para tratar da indenização de Fronteira e Difícil Fixação.

No encontro debateu-se a possibilidade de alteração da portaria que elenca as localidades estratégicas da PRF. Foi questionado o fato de no passado o Ministério da Economia ter recusado acrescentar localidades da PRF por falta de espaço fiscal, sendo que logo depois o próprio Ministério da Economia acrescentou 133 novas localidades para outro órgão.

Por parte dos técnicos do Ministério da Economia não resta dúvidas de que a alteração da portaria que contempla as localidades da PRF carece de revisão, mas, ao mesmo tempo, exige-se amparos legais para que o recurso seja disponibilizado para esse fim.

Para o Marco Gomes, “corrigir essa injustiça é algo precisa ser efetivamente acontecer e para isso todos os envolvidos precisam estar dispostos a concretizar o que hoje é só um sentimento”. O Senador Eduardo Gomes afirmou que irá buscar meios para que a parte orçamentária não seja mais o obstáculo que impede a inclusão dessas localidades que a própria PRF entende como estratégicas.

A reunião foi requerida pelo Deputado Federal Nicoletti (UNIÃO-RR) e contou com a presença do Senador e Líder do Governo no Congresso Nacional, Eduardo Gomes (MDB-TO). Além dos parlamentares estiveram presentes o Diretor de Comunicação da FENAPRF, Marco Gomes, o Vice-Presidente do SINPRF-TO e ASPAR, Marcos Valério, o Diretor Secretário do SINPRF-PA/AP, Lindemberg Pimentel dos Santos, o Coordenador de Análise de Processos de Pessoal da PRF, PRF Andrey Dias, o Assessor Parlamentar (Deputado Tiago Dimas, PODE-TO), Carlos Mazini, o Assessor Parlamentar (Deputado Eduardo Costa, PSD-PA), Vicente Bezerra, além de técnicos do Ministério da Economia.

Após a reunião o Deputado Federal Nicoletti requereu ao Departamanto de Polícia Rodoviária Federal informação atualizada sobre o custo orçamentário para a implementação da aludida indenização.

A FENAPRF mantém seu compromisso de lutar para que esse enorme equívoco seja de uma vez por todas seja desfeito.