Servidores do Banco Central retomam greve por tempo indeterminado

Servidores do Banco Central retomam greve por tempo indeterminado

Fonte: Extra

Os servidores do Banco Central (BC) decretaram greve por tempo indeterminado a partir desta terça-feira (dia 3). Na pauta de reivindicações da categoria estão: recomposição salarial de 26%, percentual das perdas inflacionárias entre janeiro de 2019 e dezembro de 2021 e ajustes na carreira, como mudança da nomenclatura de analista para auditor e exigência de nível superior para ingresso de técnicos. Os servidores chegaram a suspender a greve, que começou em 1º de abril, por duas semanas, 20 de abril a 2 de maio, à espera de uma negociação com o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, o que acabou não ocorrendo.

Em meio à insatisfação do funcionalismo, o governo Bolsonaro tentou negociar um reajuste linear de 5% para todos os servidores, o que foi considerado insuficiente pela categoria que, em nova assembleia geral no Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal), na última sexta-feira (29), decidiu pela retomada da greve.

O movimento do funcionalismo público federal tomou força após um “pacote de bondades” do governo federal, que anunciou a liberação de R$ 1,7 bilhão do orçamento para reajuste salarial das forças de segurança da União, que significaria um aumento de 16% a 20%. No entanto, essa promessa ainda não se concretizou.

Com isso, outras categorias de servidores públicos que não foram incluídas nesse reajuste passaram a reivindicar uma recomposição salarial semelhante. Os médicos peritos e os servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), por exemplo, pedem 19,9%.

Fábio Faiad, presidente do Sindicato dos Servidores do BC (Sinal), contou ao EXTRA que a principal razão para a retomada da greve é o descaso do governo em negociar com os servidores. Nesta quarta-feira (dia 4), haverá uma manifestação na porta do BC:

— O protesto se deve à instransigência do governo em abrir uma mesa de negociação com os servidores do BC. Essa é a razão da greve e do protesto. O governo não mostra interesse em ter uma negociação legítima e efetiva com os servidores de uma autarquia tão importante para a sociedade brasileira.